Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
Scroll to top

Top

Alguns Temas Fundamentais

Existência e Valor do Ministério Chamado e Escolhido por Deus

O apóstolo Paulo, referindo-se à Igreja, destacou a importância e o valor do fundamento posto por Deus mediante apóstolos e profetas, e como o Senhor por meio deles, edificava sua Obra. Assim o vemos no capítulo 2 de Efésios.

19 Assim, já não sois estrangeiros nem peregrinos, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus 20 edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo Ele mesmo, Jesus Cristo, a principal pedra angular

Numa outra passagem, um pouco mais adiante, no capítulo 4, insiste da seguinte forma:

11 E Ele mesmo concedeu: Uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, 12 querendo o aperfeiçoamento dos santos para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo,

Destacando não somente a existência desses ministérios, senão sua transcendência e importância respeito da congregação mesma.
Ora, é necessário precisar que é um método deliberado da parte de Deus, o fato de selecionar Ele mesmo um ser, um coração, para exercer a direção ou a liderança diante do povo.

Os exemplos que achamos no Antigo Testamento são a forma como através de Abraão, Isaque, Jacó ou José, nos seus dias, o Deus Criador direcionava e se manifestava ao povo.

Mas posteriormente não foi diferente, senão que vieram Moisés, Josué, Gideão, Sansão, Débora e muitos juízes, profetas ou reis, que tiveram a missão de governar, direcionar ou orientar às ações em relação com os escolhidos de Deus.

No Novo Testamento encontramos que também aquilo foi assim, pois o Senhor nosso Deus escolheu a Pedro para que presidisse o ministério diante dos judeus, e pela sua parte, fez de idêntica maneira com Paulo para que exercesse tal labor, respeito dos gentios.

Falando dessas coisas, o apóstolo Paulo relatou o seguinte em 1 de Timóteo, no seu capítulo 2.

7 Para o que fui constituído pregador e apóstolo (digo a verdade em Cristo, não minto), e doutor dos gentios, na fé e na verdade.

E aprofundando muito mais ainda nesse assunto, no capítulo 2 de Gálatas, ensina:

7 antes, pelo contrário, quando viram que o Evangelho da incircuncisão me fora confiado, como a Pedro o da circuncisão 8 (porque, Aquele que operou eficazmente em Pedro para o apostolado da circuncisão, esse operou também em mim para com os gentios)

É claro então que havendo muitos apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres, inclusive na igreja em Corinto, segundo as Escrituras, não lhes faltava nenhum dom, se distinguia um ser que foi chamado por Deus para liderar entre todos.
Da mesma forma ocorre em nosso tempo. A manifestação é completa na Igreja, o Espírito Santo a guia, acredita-se e vive-se o mesmo fundamento do apostolado, dos profetas e dos outros ministérios, mas dentre eles, como o fez desde o princípio, Deus escolheu, Ele diretamente, o coração de quem lidera ou direciona o destino da Igreja, chamamento que foi depositado pelo Altíssimo Deus na Irmã Maria Luísa Piraquive, a Serva do Senhor.
Tem muitos exemplos dos chamamentos que Deus fez. Por exemplo, quando o Senhor disse para Abraão que saísse da su terra e que deixasse para trás aos seus entes queridos, e que caminhasse após o caminho que Ele mostrar-lhe-ia. No libro de Gênesis capítulo 12 entendeu essa experiência, e de como ele como patriarca, sem duvidar sequer, obedeceu à voz de Deus.

1 Mas disse o SENHOR a Abrão: Sai de tua terra e da terra de tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que te mostrarei. 2 Farei de ti uma grande nação, e te abençoarei, e engrandecerei teu nome, e tu serás uma bênção. 3 Abençoarei os que te abençoarem, e os que te amaldiçoam serão amaldiçoados; e serão benditas em ti todas as famílias da terra.
4 E partiu Abrão como o SENHOR lhe ordenara; e Ló foi com ele. Era Abrão da idade de setenta e cinco anos quando saiu de Harã.

Mais adiante, em 1 de Samuel 3, vemos como de uma maneira formosa, e insistente, Jeová Deus fez o seu chamamento ao profeta Samuel.

4 o SENHOR chamou a Samuel; e ele respondeu: Eis-me aqui. 5 Correndo a Eli, disse: Eis-me aqui; para que me chamaste? E Eli lhe disse: Não te chamei, torna a deitar-te. E ele tornou e se deitou.
6 E o SENHOR tornou a chamar outra vez a Samuel. E, levantando-se Samuel, veio a Eli e disse: Eis-me aqui; para que me chamaste? E ele disse: Filho meu, eu não te chamei, torna a deitar-te.
7 Samuel ainda não conhecia o SENHOR, nem a palavra do SENHOR lhe fora revelada.
8 O SENHOR, pois, chamou pela terceira vez a Samuel. E ele se levantou e veio a Eli, e disse: Eis-me aqui; para que me chamaste? Então, entendeu Eli que o SENHOR chamava o jovem. 9 Disse Eli a Samuel: Vai e deita-te; e, se te chamar, dirás: Fala, SENHOR, porque teu servo ouve. Assim, foi Samuel e deitou-se em seu lugar.
10 Veio o SENHOR, parou e chamou como das outras vezes: Samuel, Samuel! Então, Samuel disse: Fala, porque Teu servo ouve.
11 E o SENHOR disse a Samuel: Eis que farei uma coisa em Israel, e todos que a ouvirem, seus ouvidos tinirão.

Ou também como a palavra de Deus foi revelada ao profeta Jeremias, segundo o livro que leva o seu nome, no capítulo 1.

4 Veio, pois, a palavra do SENHOR a mim, dizendo: 5 Antes que te formasses no ventre, a ti conheci, e antes que nascesses, a ti santifiquei, dei a ti por profeta às nações.

Inclusive, quando o apóstolo Paulo, relatando diante do rei Agripa a experiência que teve no seu primeiro encontro com o nosso Senhor Jesus Cristo, indica que ele não foi rebelde à visão por meio da qual foi chamado, e obedeceu ao instante, dizendo para Deus: O que quer que eu faça? Como diz em Atos 26.

19 Por isso, ó rei Agripa, não fui rebelde à visão celestial, 20 mas anunciei primeiramente aos que estavam em Damasco, e Jerusalém, e por toda a terra da Judeia, e aos gentios, que se arrependessem e se convertessem a Deus, fazendo obras dignas de arrependimento.

Então, graças à existência desse chamamento do Altíssimo Senhor, dessa eleição que o Poderoso Deus faz respeito de seu Servo ou Serva, é que Deus respalda e, portanto, resulta inegável a prosperidade, a bênção e o crescimento da Igreja.

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13